sábado, 5 de agosto de 2017

Tuiuti - Peças e Tabuleiro PNP

Para quem curte jogos de guerra e também gosta de confeccionar seus próprios jogos, os chamados Imprima e Jogue ou Print and Play (PNP) como preferirem. Nos links você encontra os arquivos do
tabuleiro e das peças dos exércitos.
São as peças representando as unidades que combateram na Batalha de Tuiuti, e o respectivo tabuleiro do campo de batalha, episódio da Guerra do Paraguai.

Nota: todas unidades são do tamanho de batalhões, e seguem fidelidade histórica, salvo o exército paraguaio, onde poucas unidades foram devidamente identificadas como presentes na batalha. Os registros oficiais do exército paraguaio, foram perdidos para sempre, em decorrência de toda destruição causada até o final da guerra. Em virtude disso a nomenclatura é meramente ilustrativa.


Arquivos para baixar, estão versão Beta, o tabuleiro já com a arte melhorada, e os arquivos das peças vide imagens.

Tabuleiro em pdf.
Exércitos em pdf.








Regras

As regras ainda estou finalizando a diagramação, corrigindo alguns pontos, serão publicadas posteriormente. O jogo faz uso do sistema em desenvolvimento chamado STB, "Sistema Tático de Batalha" ( sistema que trabalho desde 1980), onde procuro recriar pontos relevantes para este tipo de batalha ( exércitos em linha) imprimindo enfase tática ao jogo, mesmo quando no nível Batalhão, observando muitos efeitos do terreno e comando das tropas.

Abraço!



Batalhas Históricas 2 - Kursk

Está foi uma das maiores batalhas já travadas, também ocorreu no que foi a antiga União Soviética, durante a Segunda Guerra mundial. A cidade fica ao sul de Moscou (530 km), nas imediações do que ficou conhecido como a Frente de Voronesh.
Devido a extensão da linha na frente russa, esta era dividida por setores, nomeadas com o nome das cidades por onde passava a frente de batalha. Para ter uma ideia da vastidão e diversidade de terrenos, basta observar um mapa. Naquele momento a linha de frente, estendia-se do Mar Báltico em Leningrado ( hoje São Petersburgo), até o Mar Negro na Criméia. A batalha ocorreu meses após a ofensiva de inverno dos Russos de 42 para 43, na qual ocorreu a batalha por Stalingrado.

Como resultado da ofensiva russa de inverno, a frente havia sido deslocada para oeste ( algo em torno de  140 km) em alguns setores ( mapa ao lado), ou seja os alemães recuaram, e formou-se um grande saliente na nova linha de frente. Bem no meio ficava a cidade de Kursk.

O objetivo alemão era destruir o saliente e as forças russas, romper a linha e explorar com velocidade as brechas abertas, no melhor estilo da blitzkrieg, retomando a iniciativa estratégica na região. Aos russos cabia suportar e rechaçar o ataque, destruindo o máximo de tropas inimigas em combate.
Para tal, os dois exércitos agruparam uma quantidade enorme de tropas, para ter uma ideia:
Infantaria alemã- 900 mil soldados contra 1,337 milhão de soldados russos;
Artilharia alemã - 10 mil peças contra 20 mil dos russos;
Carros de combate - 2,7 mil contra 3,3 mil dos russos;
Aeronaves - 2,5 mil alemães contra 2,65 mil dos russos. (Diferentes autores, diferentes valores).

O Espião!

Como em toda história sobre a guerra, fala-se em espiões. Em Kursk não foi diferente, e este foi decisivo. De codinome Lucy, o cidadão Rudolf Rössier era uma alemão comunista convicto (enrustido e infiltrado) que trabalhava na intendência do exército alemão. Para quem não sabe, a intendência é por onde passam os suprimentos, é onde se diz para onde devem ir os suprimentos, onde  são concentrados.  E é nesses lugares, onde será realizado o principal esforço de uma ofensiva. E isso os russos souberam de antemão, e eles não perderam tempo, prepararam as defesas ao norte ao sul de Kursk, por onde era planejada a ofensiva alemã, defesas construídas e concentradas em profundidade, a melhor maneira de deter ou retardar um avanço de exércitos blindados.

A batalha.

Então no dia 5 de Junho de 1943 começou a batalha, o vigoroso ataque alemão tomou terreno, ao norte a ao sul da cidade alvo como planejado, mas lentamente ( como não planejado), mostra que as defesas funcionaram e com baixas maiores do que as desejadas. Passados seis dias de encarniçada luta, ambos exércitos deslocam reservas para o mesmo setor, e assim se desenhou o maior confronto de carros de combate da história. Em Prokhorovka ao sul de Kursk. Algo como 700 carros de combate alemães contra 850 carros russos, tudo em área muito limitada, na qual literalmente faltou espaço para manobrar. A batalha marcou a estréia de alguns dos carros de combates mais famosos da 2°GM como o Pantera e o Tigre.

Terminada a batalha em Prokhorovka, a ofensiva alemã fora detida. Os soviéticos lançam sua ofensiva de verão e fazem os alemães recuar bem mais para o oeste, agora numa frente muito ampla. O gigantismo desses eventos, foi decisivo para o resultado da guerra. A Alemanha nazista, perdera definitivamente a iniciativa estratégica na Frente Russa e na guerra, passou a lutar apenas defensivamente, sempre no entanto efetuando contra ataques pontuais com significativos resultados, quando digo isso, falo da destruição de muitas forças russas, ainda assim basta observar que falamos de 1943 e a guerra se arrastaria por quase mais dois anos, até maio de 1945.



Mas nosso assunto são os jogos de guerra, a lista é pequena apenas quatro jogos listados, mas  também é pertinente falar em jogos com títulos sobre a batalha em Prokhorovka, que se tornou um dos ícones de toda a campanha.

Segue ai a lista:

1- Clash Along a Spel : The Battle of Kursk 1943 ( 2004); um ATS.
2- Kusrk : History`s the Greatest Tank Battles , July 1943 ( 1980);
3- Clash of Titans, The Tank Battles for Kursk (1998)
4- Battlegroup Kursk (2012)

Sobre Prokhorovka, outros três jogos.

1- Lock `and Load :Dark July, The Battle of Prokhorovka (2008), um tático
2- The Citadel of Prokhorovka  ( Kursk 1943 ) (2007);
3 - Blod and Steel: Battle of Prokhorovka (1999);

Bom pessoal é isso ai, para saber mais sobre a lista de jogos de guerra, acesse o link.

1-Batalhas Históricas -Stalingrado.

Fonte BGG.

segunda-feira, 31 de julho de 2017

Batalhas Históricas - 1 - Stalingrado

Considerando o meu gosto pela história em geral e em especial pela Segunda Guerra Mundial, estava a navegar pelo BGG, vasculhando jogos de guerra. Foi nessa que me ocorreu a ideia de criar este tópico, falando um pouco sobre batalhas e os respectivos jogos de guerra que abordam o tema.

Não tem como não começar a tratar do assunto, sem de cara mencionar uma das batalhas mais emblemáticas e sangrentas já travadas em todos os tempos. Stalingrado, é uma cidade na antiga União Soviética, hoje chamada de Volgogrado  e foi nela em suas proximidades, onde houve  esse confronto épico. A campanha que culminou na batalha pelo controle da cidade, começou em Junho de 1942, terminado somente no inverno, já em fevereiro de 1943, com a derrota das forças do Eixo, e principalmente a destruição do 6º Exército Alemão. Uma derrota de certa forma decisiva, visto que a Alemanha não podia se dar ao luxo de derrotas tão volumosas.  O saldo em vidas dos exércitos envolvidos , foi estimados 1,8 milhão de soldados mortos, segundo algumas fontes, sem contar as vitimas civis que também foram numerosas.

O porque da batalha?

Como parte da campanha alemã para tomar os campos de petróleo do Cáucaso em 1942, um dos objetivos do avanço era tomar a cidade, cujo nome homenageava o líder Soviético, a cidade de Stalin, ou seja Stalingrado. O avanço foi devastador e rapidamente as tropas chegaram a cidade e tomando grande parte dela, porém não por inteiro, e isso seria outra história.

O impasse foi causado principalmente pela dificuldade em tomar as fábricas ao norte da cidade ( fabrica de tratores e a Barrikady, sugestivo em), deixadas em ruínas após os bombardeios alemães, que ironicamente serviram para as tropas russas criarem bastiões inexpugnáveis, jamais tomados durante os longos meses da batalha.

Enquanto os alemães sacrificavam tropas bem treinadas e equipadas em uma batalha urbana, onde perderam a liberdade de manobrar, passaram a ser alvos dos mais variados tipos de estratagemas por parte dos russos. Estes primeiramente conseguiram se fortificar em determinados setores, como já mencionado. Também mantiveram rotas de abastecimento através do Volga, assim lhes foi possível resistir aos atacantes por meses.

 Aos poucos os Russos, concentraram novos efetivos militares  na sua retaguarda e nos flancos, do que era a grande curva do rio onde ficava a cidade.

A situação que se armou, não era imperceptível para os generais alemães,  havia total ciência do risco ao qual estavam expostos, mas obedecendo as ordens do "supremo líder", que não aceitava recuos, mesmo táticos, acabaram por condenar antes mesmo do ataque russos os efetivos envolvidos na batalha. Com a chegada do inverno, o Volga congelou e os russos iniciaram sua ofensiva. Destroçaram primeiramente as  tropas romenas de ambos os flancos do eixo, e com poderosos  movimentos de pinças, em poucos dias cercaram o 6º Exército Alemão e partes do 4º Exército, além de inúmeras outras tropas menores. Agora eram as tropas do eixo que passaram travar uma batalha defensiva, nas ruínas congeladas da cidade. Embora grandes esforços tenham sido feitos por tropas alemãs, com intensão de a abrir um corredor até as tropas sitiadas, estas conseguiram chegaram a no máximo a 90 km da cidade.

Deste ponto em diante, foi uma questão de tempo, para o exército sitiado sucumbir e acabar em campos de prisioneiros dos russos na Sibéria.

Bom esse é o pano de fundo, encontrei  68 oito jogos focados na batalha, do qual o mais bem ranqueado é o Storm Over Stalingrad. Cito aqui 10 jogos conforme sua colocação no ranking do BGG,  minha fonte de pesquisa.

Storm over Stalingrad - 2006
The Hell in Stalingrad - 2009
Streets of Stalingrad - 2003
Turning Point- Stalingrad - 1989
Stalingrad Pocket II - 1996
Stalingrad - 1963
Combat Commander - Battle pack 2 - Stalingrad - 2008
Battle for Stalingrad - 1980
Tide of Iron - Stalingrad - 2013
Campaing  Commander - Vol 1 - Roads to Stalingrad - 2009



Bom senhores, espero que gostem da abordagem, a ideia é divulgar os jogos de guerra e é certo então que vou criar outros post seguindo este modelo.  Não sou historiador, nem pretendo ser, embora o relato sucinto que escrevi, seja inspirado em livros e artigos que li sobre o assunto, portanto bem  próximo ao que encontrarão em literatura com este tema. Mas o foco aqui são os jogos de tabuleiros, mais exatamente os jogos de guerra.
Um ponto interessante, embora não seja uma surpresa, a grande maioria desta lista acima e do total de 68 jogos, são de hex and counters. Foge a regra e na certa o pessoal do Tide of Iron vai curtir muito, encontrar entre a lista a versão do jogo para essa celebre batalha.

Bom é isso ai!

Abraço!

segunda-feira, 24 de julho de 2017

Minha Primeira Modelagem

A peça da imagem tem 150mm de altura, não é para jogar, talvez numa partida de RPG no máximo. Por conta do desafio, durante este final de semana, resolvi tentar modelar esse ORC, tá ai  o cara!
 Agora falta pintar.






Sinceramente, altamente relaxante fazer isso ai.

Abraço!

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Sereníssíma, ótima pedida, bastante estratégia e diversão.

Esse é daqueles jogos que enche os olhos, peças, tabuleiro, tudo muito bonito. Lançado primeiramente em 1996, teve uma segunda edição em 2012. O clássico de Dominique Ehrhard, para dois a quatro jogadores, é um jogo rápido e  disputado a ponto de haver combates, embora não seja um jogo de guerra.

A ideia é transportar cargas de um porto para outro. O critério é mover determinados bens produzidos em um porto e leva-los para outros portos na bacia do Mar Mediterrâneo, onde estes bens não existem. Controlar os portos é uma das ações do jogador, e  se faz necessária para pontuar  durante uma das fases de pontuação. Mas mesmo não controlando o porto, outro jogador pode vender ou comprar bens, o que é estratégico, afinal esvaziar um porto em uma fase de pontuação, reduz a pontuação deste porto, então fique atento.



O tabuleiro é divido em áreas, é usada a mecânica de movimento de área, e para cada espaço que o barco é movido, é preciso um tripulante (cubo da cor do jogador), a peça deve estar a bordo do navio, então  um cubo, um movimento, cinco cubos, cinco movimento. É nessa que o jogador, vai se ver na constante situação da falta de espaço a bordo de seus navios, pois para avançar muitos espaços precisa de muitos tripulantes, mas ai não sobra espaço para transportar os bens. Cada um segue seu caminho, sua estratégia. 
Mas a coisa não se limita a isso, pois o seu navio (ou um deles) pode ser transformado em navio de guerra, ai sim com muitos tripulantes. Mas igualmente para mover é preciso usar tripulantes, então pode haver falta de combatentes, afinal cada tripulante usado para mover, não é um combatente. Então é necessário mover e aproximar-se  do alvo, para poder usar o máximo de força no combate.

Ivo (E), Rafael.


Mas ainda assim, podem melar seus planos ao adentrar um espaço, pois onde houver navios de outros jogadores ( vide imagem), este pode impedi-lo de passar, caso tenha força de combate superior. Com tudo isso, você vai perceber que é preciso muito atenção, vai se fazer necessário controlar determinados espaços, e defender seus portos dos demais jogadores, ainda assim nada impede que seu vizinho, resolva vencer as suas custas, aquele sujeitinho que tava quieto lá no canto.



Esse é o cenário desse jogo, deverás divertido, se não tenso, a constante ameaça que seus vizinhos podem representar, ou então o  movimento de outros jogadores (mais afastados). 
Há momentos do clima de Game of Thrones, mas nada haver com a série  ou o jogo, afinal o foco aqui são as Galés de Veneza, quem sabe uma repetição da batalha de Lepanto, guardadas as proporções. 
Navios podem ser comprados e perdidos e  então comprados novamente, portos podem ser tomados, atacados e defendidos, o jogo é tenso.
Embora possa parecer que o conflito é o  centro do jogo, o que manda é carregar os navios e tomar portos, para pontuar.



Fica a dica desse jogo muito bacana, que já conta com seus 21 anos, esquecido para muitos, desconhecido por muito mais gente, mas que consegui em um leilão há alguns meses, baita aquisição.












Abraço!