sábado, 5 de agosto de 2017

Tuiuti - Peças e Tabuleiro PNP

Para quem curte jogos de guerra e também gosta de confeccionar seus próprios jogos, os chamados Imprima e Jogue ou Print and Play (PNP) como preferirem. Nos links você encontra os arquivos do
tabuleiro e das peças dos exércitos.
São as peças representando as unidades que combateram na Batalha de Tuiuti, e o respectivo tabuleiro do campo de batalha, episódio da Guerra do Paraguai.

Nota: todas unidades são do tamanho de batalhões, e seguem fidelidade histórica, salvo o exército paraguaio, onde poucas unidades foram devidamente identificadas como presentes na batalha. Os registros oficiais do exército paraguaio, foram perdidos para sempre, em decorrência de toda destruição causada até o final da guerra. Em virtude disso a nomenclatura é meramente ilustrativa.


Arquivos para baixar, estão versão Beta, o tabuleiro já com a arte melhorada, e os arquivos das peças vide imagens.

Tabuleiro em pdf.
Exércitos em pdf.








Regras

As regras ainda estou finalizando a diagramação, corrigindo alguns pontos, serão publicadas posteriormente. O jogo faz uso do sistema em desenvolvimento chamado STB, "Sistema Tático de Batalha" ( sistema que trabalho desde 1980), onde procuro recriar pontos relevantes para este tipo de batalha ( exércitos em linha) imprimindo enfase tática ao jogo, mesmo quando no nível Batalhão, observando muitos efeitos do terreno e comando das tropas.

Abraço!



Batalhas Históricas 2 - Kursk

Está foi uma das maiores batalhas já travadas, também ocorreu no que foi a antiga União Soviética, durante a Segunda Guerra mundial. A cidade fica ao sul de Moscou (530 km), nas imediações do que ficou conhecido como a Frente de Voronesh.
Devido a extensão da linha na frente russa, esta era dividida por setores, nomeadas com o nome das cidades por onde passava a frente de batalha. Para ter uma ideia da vastidão e diversidade de terrenos, basta observar um mapa. Naquele momento a linha de frente, estendia-se do Mar Báltico em Leningrado ( hoje São Petersburgo), até o Mar Negro na Criméia. A batalha ocorreu meses após a ofensiva de inverno dos Russos de 42 para 43, na qual ocorreu a batalha por Stalingrado.

Como resultado da ofensiva russa de inverno, a frente havia sido deslocada para oeste ( algo em torno de  140 km) em alguns setores ( mapa ao lado), ou seja os alemães recuaram, e formou-se um grande saliente na nova linha de frente. Bem no meio ficava a cidade de Kursk.

O objetivo alemão era destruir o saliente e as forças russas, romper a linha e explorar com velocidade as brechas abertas, no melhor estilo da blitzkrieg, retomando a iniciativa estratégica na região. Aos russos cabia suportar e rechaçar o ataque, destruindo o máximo de tropas inimigas em combate.
Para tal, os dois exércitos agruparam uma quantidade enorme de tropas, para ter uma ideia:
Infantaria alemã- 900 mil soldados contra 1,337 milhão de soldados russos;
Artilharia alemã - 10 mil peças contra 20 mil dos russos;
Carros de combate - 2,7 mil contra 3,3 mil dos russos;
Aeronaves - 2,5 mil alemães contra 2,65 mil dos russos. (Diferentes autores, diferentes valores).

O Espião!

Como em toda história sobre a guerra, fala-se em espiões. Em Kursk não foi diferente, e este foi decisivo. De codinome Lucy, o cidadão Rudolf Rössier era uma alemão comunista convicto (enrustido e infiltrado) que trabalhava na intendência do exército alemão. Para quem não sabe, a intendência é por onde passam os suprimentos, é onde se diz para onde devem ir os suprimentos, onde  são concentrados.  E é nesses lugares, onde será realizado o principal esforço de uma ofensiva. E isso os russos souberam de antemão, e eles não perderam tempo, prepararam as defesas ao norte ao sul de Kursk, por onde era planejada a ofensiva alemã, defesas construídas e concentradas em profundidade, a melhor maneira de deter ou retardar um avanço de exércitos blindados.

A batalha.

Então no dia 5 de Junho de 1943 começou a batalha, o vigoroso ataque alemão tomou terreno, ao norte a ao sul da cidade alvo como planejado, mas lentamente ( como não planejado), mostra que as defesas funcionaram e com baixas maiores do que as desejadas. Passados seis dias de encarniçada luta, ambos exércitos deslocam reservas para o mesmo setor, e assim se desenhou o maior confronto de carros de combate da história. Em Prokhorovka ao sul de Kursk. Algo como 700 carros de combate alemães contra 850 carros russos, tudo em área muito limitada, na qual literalmente faltou espaço para manobrar. A batalha marcou a estréia de alguns dos carros de combates mais famosos da 2°GM como o Pantera e o Tigre.

Terminada a batalha em Prokhorovka, a ofensiva alemã fora detida. Os soviéticos lançam sua ofensiva de verão e fazem os alemães recuar bem mais para o oeste, agora numa frente muito ampla. O gigantismo desses eventos, foi decisivo para o resultado da guerra. A Alemanha nazista, perdera definitivamente a iniciativa estratégica na Frente Russa e na guerra, passou a lutar apenas defensivamente, sempre no entanto efetuando contra ataques pontuais com significativos resultados, quando digo isso, falo da destruição de muitas forças russas, ainda assim basta observar que falamos de 1943 e a guerra se arrastaria por quase mais dois anos, até maio de 1945.



Mas nosso assunto são os jogos de guerra, a lista é pequena apenas quatro jogos listados, mas  também é pertinente falar em jogos com títulos sobre a batalha em Prokhorovka, que se tornou um dos ícones de toda a campanha.

Segue ai a lista:

1- Clash Along a Spel : The Battle of Kursk 1943 ( 2004); um ATS.
2- Kusrk : History`s the Greatest Tank Battles , July 1943 ( 1980);
3- Clash of Titans, The Tank Battles for Kursk (1998)
4- Battlegroup Kursk (2012)

Sobre Prokhorovka, outros três jogos.

1- Lock `and Load :Dark July, The Battle of Prokhorovka (2008), um tático
2- The Citadel of Prokhorovka  ( Kursk 1943 ) (2007);
3 - Blod and Steel: Battle of Prokhorovka (1999);

Bom pessoal é isso ai, para saber mais sobre a lista de jogos de guerra, acesse o link.

1-Batalhas Históricas -Stalingrado.

Fonte BGG.

segunda-feira, 31 de julho de 2017

Batalhas Históricas - 1 - Stalingrado

Considerando o meu gosto pela história em geral e em especial pela Segunda Guerra Mundial, estava a navegar pelo BGG, vasculhando jogos de guerra. Foi nessa que me ocorreu a ideia de criar este tópico, falando um pouco sobre batalhas e os respectivos jogos de guerra que abordam o tema.

Não tem como não começar a tratar do assunto, sem de cara mencionar uma das batalhas mais emblemáticas e sangrentas já travadas em todos os tempos. Stalingrado, é uma cidade na antiga União Soviética, hoje chamada de Volgogrado  e foi nela em suas proximidades, onde houve  esse confronto épico. A campanha que culminou na batalha pelo controle da cidade, começou em Junho de 1942, terminado somente no inverno, já em fevereiro de 1943, com a derrota das forças do Eixo, e principalmente a destruição do 6º Exército Alemão. Uma derrota de certa forma decisiva, visto que a Alemanha não podia se dar ao luxo de derrotas tão volumosas.  O saldo em vidas dos exércitos envolvidos , foi estimados 1,8 milhão de soldados mortos, segundo algumas fontes, sem contar as vitimas civis que também foram numerosas.

O porque da batalha?

Como parte da campanha alemã para tomar os campos de petróleo do Cáucaso em 1942, um dos objetivos do avanço era tomar a cidade, cujo nome homenageava o líder Soviético, a cidade de Stalin, ou seja Stalingrado. O avanço foi devastador e rapidamente as tropas chegaram a cidade e tomando grande parte dela, porém não por inteiro, e isso seria outra história.

O impasse foi causado principalmente pela dificuldade em tomar as fábricas ao norte da cidade ( fabrica de tratores e a Barrikady, sugestivo em), deixadas em ruínas após os bombardeios alemães, que ironicamente serviram para as tropas russas criarem bastiões inexpugnáveis, jamais tomados durante os longos meses da batalha.

Enquanto os alemães sacrificavam tropas bem treinadas e equipadas em uma batalha urbana, onde perderam a liberdade de manobrar, passaram a ser alvos dos mais variados tipos de estratagemas por parte dos russos. Estes primeiramente conseguiram se fortificar em determinados setores, como já mencionado. Também mantiveram rotas de abastecimento através do Volga, assim lhes foi possível resistir aos atacantes por meses.

 Aos poucos os Russos, concentraram novos efetivos militares  na sua retaguarda e nos flancos, do que era a grande curva do rio onde ficava a cidade.

A situação que se armou, não era imperceptível para os generais alemães,  havia total ciência do risco ao qual estavam expostos, mas obedecendo as ordens do "supremo líder", que não aceitava recuos, mesmo táticos, acabaram por condenar antes mesmo do ataque russos os efetivos envolvidos na batalha. Com a chegada do inverno, o Volga congelou e os russos iniciaram sua ofensiva. Destroçaram primeiramente as  tropas romenas de ambos os flancos do eixo, e com poderosos  movimentos de pinças, em poucos dias cercaram o 6º Exército Alemão e partes do 4º Exército, além de inúmeras outras tropas menores. Agora eram as tropas do eixo que passaram travar uma batalha defensiva, nas ruínas congeladas da cidade. Embora grandes esforços tenham sido feitos por tropas alemãs, com intensão de a abrir um corredor até as tropas sitiadas, estas conseguiram chegaram a no máximo a 90 km da cidade.

Deste ponto em diante, foi uma questão de tempo, para o exército sitiado sucumbir e acabar em campos de prisioneiros dos russos na Sibéria.

Bom esse é o pano de fundo, encontrei  68 oito jogos focados na batalha, do qual o mais bem ranqueado é o Storm Over Stalingrad. Cito aqui 10 jogos conforme sua colocação no ranking do BGG,  minha fonte de pesquisa.

Storm over Stalingrad - 2006
The Hell in Stalingrad - 2009
Streets of Stalingrad - 2003
Turning Point- Stalingrad - 1989
Stalingrad Pocket II - 1996
Stalingrad - 1963
Combat Commander - Battle pack 2 - Stalingrad - 2008
Battle for Stalingrad - 1980
Tide of Iron - Stalingrad - 2013
Campaing  Commander - Vol 1 - Roads to Stalingrad - 2009



Bom senhores, espero que gostem da abordagem, a ideia é divulgar os jogos de guerra e é certo então que vou criar outros post seguindo este modelo.  Não sou historiador, nem pretendo ser, embora o relato sucinto que escrevi, seja inspirado em livros e artigos que li sobre o assunto, portanto bem  próximo ao que encontrarão em literatura com este tema. Mas o foco aqui são os jogos de tabuleiros, mais exatamente os jogos de guerra.
Um ponto interessante, embora não seja uma surpresa, a grande maioria desta lista acima e do total de 68 jogos, são de hex and counters. Foge a regra e na certa o pessoal do Tide of Iron vai curtir muito, encontrar entre a lista a versão do jogo para essa celebre batalha.

Bom é isso ai!

Abraço!

segunda-feira, 24 de julho de 2017

Minha Primeira Modelagem

A peça da imagem tem 150mm de altura, não é para jogar, talvez numa partida de RPG no máximo. Por conta do desafio, durante este final de semana, resolvi tentar modelar esse ORC, tá ai  o cara!
 Agora falta pintar.






Sinceramente, altamente relaxante fazer isso ai.

Abraço!

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Sereníssíma, ótima pedida, bastante estratégia e diversão.

Esse é daqueles jogos que enche os olhos, peças, tabuleiro, tudo muito bonito. Lançado primeiramente em 1996, teve uma segunda edição em 2012. O clássico de Dominique Ehrhard, para dois a quatro jogadores, é um jogo rápido e  disputado a ponto de haver combates, embora não seja um jogo de guerra.

A ideia é transportar cargas de um porto para outro. O critério é mover determinados bens produzidos em um porto e leva-los para outros portos na bacia do Mar Mediterrâneo, onde estes bens não existem. Controlar os portos é uma das ações do jogador, e  se faz necessária para pontuar  durante uma das fases de pontuação. Mas mesmo não controlando o porto, outro jogador pode vender ou comprar bens, o que é estratégico, afinal esvaziar um porto em uma fase de pontuação, reduz a pontuação deste porto, então fique atento.



O tabuleiro é divido em áreas, é usada a mecânica de movimento de área, e para cada espaço que o barco é movido, é preciso um tripulante (cubo da cor do jogador), a peça deve estar a bordo do navio, então  um cubo, um movimento, cinco cubos, cinco movimento. É nessa que o jogador, vai se ver na constante situação da falta de espaço a bordo de seus navios, pois para avançar muitos espaços precisa de muitos tripulantes, mas ai não sobra espaço para transportar os bens. Cada um segue seu caminho, sua estratégia. 
Mas a coisa não se limita a isso, pois o seu navio (ou um deles) pode ser transformado em navio de guerra, ai sim com muitos tripulantes. Mas igualmente para mover é preciso usar tripulantes, então pode haver falta de combatentes, afinal cada tripulante usado para mover, não é um combatente. Então é necessário mover e aproximar-se  do alvo, para poder usar o máximo de força no combate.

Ivo (E), Rafael.


Mas ainda assim, podem melar seus planos ao adentrar um espaço, pois onde houver navios de outros jogadores ( vide imagem), este pode impedi-lo de passar, caso tenha força de combate superior. Com tudo isso, você vai perceber que é preciso muito atenção, vai se fazer necessário controlar determinados espaços, e defender seus portos dos demais jogadores, ainda assim nada impede que seu vizinho, resolva vencer as suas custas, aquele sujeitinho que tava quieto lá no canto.



Esse é o cenário desse jogo, deverás divertido, se não tenso, a constante ameaça que seus vizinhos podem representar, ou então o  movimento de outros jogadores (mais afastados). 
Há momentos do clima de Game of Thrones, mas nada haver com a série  ou o jogo, afinal o foco aqui são as Galés de Veneza, quem sabe uma repetição da batalha de Lepanto, guardadas as proporções. 
Navios podem ser comprados e perdidos e  então comprados novamente, portos podem ser tomados, atacados e defendidos, o jogo é tenso.
Embora possa parecer que o conflito é o  centro do jogo, o que manda é carregar os navios e tomar portos, para pontuar.



Fica a dica desse jogo muito bacana, que já conta com seus 21 anos, esquecido para muitos, desconhecido por muito mais gente, mas que consegui em um leilão há alguns meses, baita aquisição.












Abraço!

sábado, 15 de julho de 2017

Catan, Game of Thrones!

Faz alguns dias tinha visto esta matéria no BGG, e aqui no BoardGame Brasil, como fã da série, fica ai a chamada para registrar essa novidade.

As voltas, com a série de maior sucesso da televisão a nível mundial atualmente,  Game of Thrones.

Com muitos fãs espalhados pelo planeta, assim sendo, a Queen Games pretende largar no circuito, o Catan Game of Thrones ( The Night Watch), onde os jogadores, no papel dos Guardiões da Noite,  devem manter a muralha contra os Vagantes Brancos e demais perigos que vem do norte.






Acrescentou-se  também personagens (onze), que o diferenciam dos jogos tradicionais da linha Catan.
São escolhidos pelo jogador, e cada qual com poderes especiais e assimétricos.


Previsão para este lançamento, Outubro de 2017. Visto ser um jogo que agrada muita gente ( a Gregos e Troianos), somado a uma enorme legião  de fãs da série, deve emplacar muito bem.





Autores Klaus Teuber e Benjamin Teuber
Comporta de 2 a 4 jogadores
Duração de tempo estimada 60 minutos
Idade sugerida a partir dos 14 anos

Ficamos a aguardar.

Abraço!

Fonte BGG

terça-feira, 20 de junho de 2017

Manhattan Project, já jogou?

No último encontro do Clube Péricles, jogamos o Manhattan Project. O jogo chamou atenção ( há muito) devido ao seu tema, construir artefatos nucleares para destruição em massa, baita imoralidade!!!???... mas como não sou da turma do mimimi....é apenas um jogo e para mim esse é o foco.



Bom, cada jogador no papel de trabalhadores de um país, procura desenvolver bombas atômicas, em síntese  é uma corrida armamentista. O jogo é simples, com pouca dependência de idioma, o jogador se preocupa em alocar seus trabalhadores, do total de doze, começando com quatro não especializados.
Deve se preocupar em obter engenheiros e cientistas, necessários para realmente chegar a um resultado efetivo. Não tem como construir bombas sem estes trabalhadores especializados, por  ser requisito das cartas dos artefatos ( projetos das bombas).

Os trabalhadores sobre o tabuleiro central, podem ser alocados um de cada vez, porém alternando entre a vez de jogar dos jogadores. Ao alocar executa a ação imediatamente, estas podem ser:

1- Deck de construção disponíveis como fabricas, universidades, minas, necessárias para obter os recursos como trabalhadores, aviões, minério entre outros.
2- Para ativar o deck de construções, alocar o trabalhador nesta casa, sem limite de quantos.
3- Espionagem, permite o jogador usar instalações de outros jogadores, limitado ao nível de espionagem da escala;
4- Ataques aéreos, é preciso vencer a defesa de caças do oponente, para atingir as instalações do jogador oponente, o que retarda o programa deste jogador;
5- Reparar instalações destruídas pelos ataques aéreos;
6- Produção de certos recursos nas instalações, quase um bônus;
7- Escala de plutônio e urânio necessários para construir os artefatos atômicos;
8- Obter minério;
9- Obter trabalhadores, cientistas e engenheiros;
10- Obter projetos de artefatos;
11- Obter urânio ou plutônio;

Importante observar, os recursos obtidos nas casas 6, 8, 9 e 11, também podem ser obtidos nos tabuleiros individuais dos jogadores, mas deve ter para tal, as respectivas instalações


Os trabalhadores sobre este tabuleiro, permanecem ocupando o espaço, impedindo outro jogador de fazer a ação, só liberando o espaço quando o jogador recolher todos seus trabalhadores, o que ocorre após usar todos. Pode parecer que isso trava o andamento da partida, mas garanto que não, tudo acontece muito rápido, e os jogadores ficam sempre naquela torcida, " não ocupa essa casa agora cara!".

Os demais trabalhadores, são usados para ativar as suas industrias, centros de pesquisa, ou seja as cartas dispostas sobre seu tabuleiro individual. Podem ser ativados tantos trabalhadores, quantos disponíveis, ou então os necessários para ativar as instalações. A sequência é  estabelecida pela estratégia do jogador, muito bacana esse mecanismo de alocação. Essa condição acelera o funcionamento do jogo, dai a impressão de estar numa corrida armamentista.
O tabuleiro individual é assimétrico, depende das cartas que o jogador comprou, como visto na imagem:

-a- projeto de bomba,
-b- aviões de caça disponíveis para defesa contra ataques aéreos,
-c- escala de bombardeiros, necessários para melhorar as bombas,
-d- instalações diversas, como minas, fabricas de aviões, universidades, programas de enriquecimento de urânio, aqui é variado e assimétrico;
-e- trabalhadores alocados, para ativar a carta, em muitos casos é necessário o número e o tipo certo de trabalhador;
-f- Artefato atômico concluído;
-g- dinheiro, necessário como investimento na compra das instalações;
-h- reserva de minério, necessário para enriquecer urânio ou plutônio;



Alocar os trabalhadores entre os dois tipos de tabuleiros, ocorre de forma rápida. O jogador passa a vez, sempre que já alocou todos os trabalhadores no seu tabuleiro individual e um trabalhador sobre o tabuleiro principal. Se sobrar trabalhador, não alocável sobre o tabuleiro individual, passa a vez, para  somente  na próxima oportunidade, alocar outro trabalhador sobre o tabuleiro principal.
Após acabarem os seus trabalhadores, na sua próxima vez de  jogar, recolhe todos para sua área de jogo. É nessa que  os espaços são liberados sobre os tabuleiros, prontamente ocupados pelos demais jogadores.

Esse sistema deixa o jogo acelerado, ainda mais quando os jogadores se habituarem com o funcionamento, coisa que gostei bastante.

Bom de básico o jogo é isso, vence quem primeiro construir bombas cujo valor somado, igualar ou superar 50 pontos. Algumas outras opções podem ser levadas a cabo no momento de construir as bombas, como melhorar o seu desempenho, em troca de dinheiro e aeronaves de bombardeio.

Na imagem a reserva geral da partida.





Para finalizar, gostei muito do jogo, tanto por conta de sua simplicidade com regras e funcionamento, como pela rapidez além do tema relativamente bem colado. A interatividade é constante, afinal um jogador em diferentes momentos, pode afetar o jogo de outro jogador, tanto pelas escolhas como por conta de ataques visando destruir instalações do oponente.

Ai faço a pergunta...... Já jogou?

Fica a recomendação, na certa o jogo vai estar presente em outros momentos. Vale lembrar que o jogo possui diferentes expansões, incrementos que não conheço, mas que na certa devem deixar o jogo ainda mais interessante.

Autor- Brandon Tibbetts
Comporta de 2 a 5 jogadores
Duração estimada de tempo por partida, 120 minutos
Idade minima sugerida 13 anos
Complexidade BGG, 2,95  em 5


Abraço!


terça-feira, 30 de maio de 2017

Há dez anos foi Lançado o Fronteira da Tércos.

A pouco me dei conta que agora em 2017, fazem 10 anos que lancei o Fronteira???
Mas para começar o que é o Fronteira?

É um jogo com tema medieval, de colocação de peças (tile placemente), fazendo uso de pontos de ação (action points). Cada peça só podia ser posicionada adjacente a peças cuja a iconografia fosse compatível, ao custo de pontos de ação. Vence o jogo quem somar mais pontos, que são também os pontos de ação gastos para montar o seu reino.

Essa aventura começou com a ideia de lançar um jogo no mercado, isso nos idos de 2006/2007. Estava em uma loja, quando observei uns jogos de cartas tipo Magic, expostos numa caixa master, dai a ideia do abestado....vou fazer algo assim!!!

Passei a trabalhar nessa ideia no tempo livre, depois foram horas adicionais, ver gráficas, registrar marcas, prototipagem, testar, facas de corte, matrizes de impressão, isso em Joinville de 2007, então maravilha, tava lá o jogo e tudo mais. Encontrei um representante comercial, trocamos ideias, mas naquela época esse tipo de jogo?

Claro que existia esse tipo de jogo (importando), claro que havia grupos de discussão como a Lista BG-BR (o mercado de então), mas uma loja vender esse tipo de produto??.....  não era nada comum. Embora tenha trocado ideias com os lojistas, o discurso é um, mas vai lá vender para esse  "putos", depois que você investiu..."é que falta a imagem de algum artista", até esse tipo de "asneira" cheguei a escutar, mas por fim demonstra o que era o mercado da época, e o lojista quer um produto que gire, não tá lá por altruísmo, ideologia, são negócios, não conte com eles para desenvolver nada.

Bom isso agora é história. O resultado final ficou aquém do esperado, jamais recuperei o dinheiro investido, por conta de uma série de fatores.O pessoal da gráfica, não fez um bom trabalho, mas o idiota aqui, ainda pagou adiantado, dá para ver o tipinho. 



No final vendi algo em torno de 270 jogos, de um lote de 500 unidades, parece bom, mas há sempre investimentos maiores que dependiam de outros fatores, para tornar o negócio lucrativo e isso não ocorreu.

Também tenho minha parcela de culpa nessa história, fiz uma serie de besteiras como:

-registrar a marca, devia deixar o barco andar primeiro, para ver como o negócio funcionava de fato, para depois fazer isso, muita grana perdida aqui;
-a primeira versão de regras ficou mau escrita, confusa, cria uma péssima imagem;
-a qualidade gráfica como já mencionei ficou ruim, cria outra péssima imagem;
-não participava de grupos de discussão, embora acompanha-se a leitura das discussões, iria ajudar a criar diretrizes;
-pouco testado, embora o jogo funciona-se bem, teria fatalmente modificado alguns pontos antes de lançar;



Mas fazer o que, como dizia Rommel, "os planos de batalha funcionam até a batalha começar".

Bom, chega de falar do que deu errado, outro aspecto curioso, haviam outras seis expansões desenvolvidas para o jogo, nunca lançadas, salvo alguns raros exemplares da expansão Território, que anexava tabuleiros modulares, pois a versão original era jogada sobre a mesa sem uso de tabuleiros. Mas como expansões iriam adicionar vikings, barcos, (era o passo seguinte), haveria também dragões, feiticeiras, novas construções, mercadores e mercadorias, uma miríada de nuances que tornaria o jogo sempre mais denso, embora continua-se a ser um tile placement e action point.



Contei com a ajuda de alguns amigos, familiares, cito em especial o apoio (posteriormente em 2008), do Alessandro Caporal, mentor e mantenedor da Ilha do Tabuleiro. Está ai o registro dessa história, os dez anos do jogo Fronteira da Tércos, minha primeira aventura como criador de jogos. 


Abraço!

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Wargames na EsPCEx.

Wargames na EsPCEX, Escola Preparatória de Cadetes do Exército, parece o lugar mais que adequado, afinal jogos de guerra são simplesmente focados em unidades militares, desde suas grandes formações em nível estratégico, até pequenas seções de combate como nos jogos táticos.

A princípio podemos pensar que os  Wargames, são mais conhecidos nos círculos civis do que militares, afinal são jogos, é lúdico. Mas isso é um engano, os jogos de guerra desde há muito são usados para prever situações, criar cenários hipotéticos, levados em conta em caso de conflitos, isso já no século XIX, o que faz todo sentido, afinal se a maquina de guerra for usada, não tem como voltar atrás. Difere que nos jogos civis, os mecanismos de cada sistema, procura expor este ao aquele aspecto relevante sobre os combates. Nos círculos militares, as estatísticas são mais importantes, de modo a compor diferentes quadros possíveis para um determinado conflito.

Foi nessa que o pessoal do Clube Somniun e  o Clube dos Generais, aliados a  pessoas do meio, como o Gerson Monteiro, militar da reserva e entusiasta dos jogos de guerra, acabaram por participar do evento na EsPCEx. O foco eram as comemorações do final da 2º Guerra Mundial e a participação Brasileira no conflito, como é bem conhecido ou pelo menos deveria.

No evento, houveram encenações de combate, com figurinos da época, exposição de relíquias militares, e também jogos de guerra, nosso foco. Tenho conversado com frequência com o Gerson Monteiro, afinal ambos gostamos dos jogos em questão, trocamos ideias sobre como fazer esse nicho aparecer, divulgar os jogos e não tem milagre.

O negócio é mesmo participar, criar eventos, quebrar a velha mistica sobre este tipo de jogo, difíceis e de longa duração, o que nem sempre é verdade., mas também volto a reiterar a importância dos já aficionados pelos jogos de guerra, DESCE DO PEDESTAL, postura de muitos se achando DEUSES DA GUERRA, receba bem o novato no meio, incentive a participação, ai sim aos poucos a coisa toma corpo.

São do Gerson, as imagens que estou utilizando nesta postagem, dai meus agradecimentos, e nada melhor do que elas para contar o que aconteceu.

Relíquias militares.

Réplicas de armamentos.

Note a insignia na manga.

Encenação.

Jogos de Guerra.

Pessoal do Somnium como monitor .

Pessoal dos Wargames.



Aqui o Gerson, junto a um entusiasta 
que participou da encenação.





Bom pessoal é isso ai, pelo que se vê estava muito bacana, exposição, encenação, jogos, cabe um agradecimento ao exército, ao abrir as portas para a interatividade com a população civil e nada mais correto que isso.


Abraço!


sábado, 6 de maio de 2017

Pelo visto, o final de semana é dos Wargames.

É isso ai, ontem postei uma chamada para o evento de hoje, organizado pelo Clube Paulista de Wargames - CPW, onde os participantes podem mergulhar na Terra Média e batalhar contra os orcs, é  jogo de guerra.

Também hoje, em evento paralelo, o Clube dos Generais e o Clube Somnium, tradicionais grupos de jogos de guerra,  participam de atividades na Escola Preparatória de Cadetes do Exército -EsPCEx.,com o sugestivo título,  Tributo a FEB, Força Expedicionária Brasileira, durante a Segunda Guerra Mundial. O evento conta com diversas atividades, palestras, exposições, aberto ao público, veja logo abaixo maiores informações.






Neste evento, são expostos os clássicos Hex And Counters, batalhas e campanhas históricas, jogos do acervo dos integrantes destes grupos de jogos.

Transcrevo a chamada para o evento, com detalhes.

"O Brasil na 2a Guerra Mundial - Tributo da EsPCEx aos nossos heróis

6 de Maio de 2017

A AExCamp (Associação dos Expedicionários Campineiros), o GPRH(Grupo de Pesquisa e Reencenação Histórica) “Dogs Of War” e a CVMAISP (Companhia de Viaturas Militares Antigas do Interior de São Paulo) se aliaram a EsPCEx (Escola Preparatória de Cadetes dos Exército) para a realização de mais um grande evento.

Seguem alguns atrativos:
- Exposição de viaturas militares antigas e novas
- Reencenação de fatos históricos(Dogs of War)
- Banda do exército
- Palestras
- Exposição de itens militares antigos e novos...

Mais informações:
reencenador@gmail.com

Conto com a presença de todos

IMPORTANTE:
- Será proibida a entrada com bermudas, chinelos ou camiseta regatas. Tanto para participantes como para visitantes."




Fica a dica.

Abraço!

sexta-feira, 5 de maio de 2017

Wargames, amanhã tem torneio.

Essa é para divulgar a iniciativa, afinal o relativamente carente nicho dos wargames, tem que mostrar a cara para chamar mais pessoas para o hobby. O povo do Clube Paulista de Wargames, realiza um torneio bem interessante, aberto ao publico em geral.

Transcrevo aqui a chamada dos caras.

“Qualquer um de vocês é bem-vindo a qualquer hora” – Bilbo Bolseiro
Saudações, mestres hobbits, e bem-vindo ao muito aguardado 1º Grande Torneio Aberto de HSBG. Com uma proposta de trazer uma competição amigável e ambientada na incrível Terra Média, este torneio será a oportunidade para mostrar suas habilidades táticas, estratégicas e artísticas. O título de Campeão da Terra Média está em jogo; você tem o que é necessário para comandar as legiões?

Informações Gerais
Data: 06/05/2017
Inscrição: R$ 10,00
Número de participantes: 8
Número de partidas: 3
Tempo de máximo de cada partida: 2 horas
Pontuação do exército: 355 pontos
Limite de miniaturas: mínimo 4, máximo 40
Local: CPW – Clube Paulista de Wargames"









Fica a dica, não perca a oportunidade e muito boa diversão.


Abraço!


segunda-feira, 24 de abril de 2017

Lady Lúdica, conhece?

Acabei de ler isso, achei muito bacana e remeteu direto a algumas discussões que ocorria no Ilha do Tabuleiro, "cadê as meninas nos jogos de tabuleiros". Havia N argumentos e X motivos, mas a participação era pequena.

Então Lady Lúdica, é uma iniciativa das meninas para as meninas, o primeiro evento onde as meninas tomaram conta de tudo. Local R.Correia Dutra, 99- Rio de Janeiro- RJ, sábado dia 06 de Maio, a partir das 10 hrs até 22 hrs.
Maiores informações no link acima.

Muito bacana, sucesso com essa iniciativa, e que venham mais eventos do povo dos board games. Noto também que essa iniciativa, só vem mostrar o quanto o cenário brasileiro, no que tange os jogos de tabuleiros vem crescendo.


Sucesso.

Abraço!

Nota: fonte da imagem, Lady Lúdica no Facebook.

sábado, 22 de abril de 2017

STB, teste com a regra da iniciativa.

STB, Sistema Tático de Batalha, faz muito que trabalho nesse sistema, mas só recentemente adotei a regra da iniciativa.  Primeiro vamos esclarecer um ponto, o que é a iniciativa num jogo de guerra?

Para quem jogo Tide of Iron, o  assunto é bem conhecido, basicamente, a iniciativa dita quem joga por primeiro. O jogador deve lançar um dado e obter o valor requerido, digamos por exemplo quatro. Este valor pode ser diferente para os jogadores, quando a assimetria, simula por exemplo o melhor comando de um exército em relação ao outro.

Uma vez obtido sucesso na iniciativa, o jogador poderá atacar ou mover com um dos seus grupos de combate.
Desta forma o nível tático é ressaltado, visto ser decisão do jogador, onde atuar por primeiro em meio ao cenário do combate que esta inserido. Para reforçar ainda mais as  condições táticas, a regra "atacar primeiro para depois mover", faz o jogador pensar sobre onde e quando agir e expor ou não unidades na batalha.


Vale lembrar, que se o jogador inicial ao buscar a iniciativa, (ditada na ordem de batalha do cenário), não obter a sucesso, passa a vez para o jogador oponente. Esta situação pode resultar em ações decisivas nos confrontos travados, visto que o jogador, poderá resolver uma situação de combate antes que o jogador oponente possa fazer a mesma coisa, ou seja!....quem "for mais rápido no gatilho", mas melhor, simula a indecisão do comando para executar uma ação.


Os testes realizados com o mecanismo da iniciativa agradaram muito, ainda mais que ajudou a resolver um problema. A ideia é este sistema (STB), ser usado em jogos de qualquer época, dai a decisão de sua utilização, ao testar em jogos onde o tema são as batalhas com tropas em linha, caso do Tuiuti, napoleônicos entre outros. Certas táticas não ficaram bem refletidas, simuladas, a exemplo cargas de cavalaria, com a iniciativa, isto foi resolvido.




Simulação de ataque da cavalaria ao flanco, exposto por conta 
de espaços abertos na linha, em função da iniciativa.

É possível por exemplo, pensar e executar cargas devastadores pela retaguarda ou flanco, com sensível efeito na simulação deste tipo der ação, uma vez que pode facilmente ocorrer a exposição das unidades do oponente.

Bom é isso ai, estão rolando diversos testes, alguns até drásticos, mas na certa o grande ganho para o sistema foi a iniciativa. Hora dessas passo em algum dos eventos com jogos de guerra, e vamos ver como fica.


Abraço!



sábado, 8 de abril de 2017

Estante do Yanker, conhece?

Hobby...."uma atividade praticada por prazer, nos momentos livres".

Na minha opinião toda pessoa deveria ter um hobby, lógico cada um faz o que quer, mas deveria ter. Lá no Estante do Yanker é assim, um espaço para colecionadores de miniaturas, dai tudo que tenha haver com colecionáveis. Uma coisa leva a outra,  os caras de lá, tem também um pé no universo de Tolkien.  Dá uma olhada lá, vai achar muita coisa interessante.

As diferenças não são grandes, o povo lá, não é diferente do povo daqui, afinal nós também temos nossas coleções, aqui são jogos de tabuleiros, porque queira ou não, todo jogador de tabuleiro, acaba montando sua coleção, com aqueles jogos que mais lhe agradam.

Foi nessa que fui convidado, fins de 2016, para prestar uma entrevista para o blog, Estante do Yanker,, falar um pouco sobre o nosso hobby, um pouco sobre jogos, sobre meu blog, sobre o mercado de jogos e a criação de jogos.

Dá uma conferida, espero que gostem, clique aqui!

Abraço!

segunda-feira, 13 de março de 2017

Março, é do Clube Péricles.

É isso ai, não foi esquecido não! 

A nove anos o Clube Péricles de  Jogos de Tabuleiro 
foi fundado na extinta Ilha do Tabuleiro, 
era um dos muitos clubes que surgiram no ótimo espaço 
que era a Ilha. 

Nesse meio tempo, ou seja nos últimos nove anos, 
muita gente chegou, jogou, passou e foi pela vida, 
confesso nem lembrar  quantos. 
Partidas são inúmeras, assim como jogos jogados. 
Na certeza apenas, que sempre o grupo se refaz, 
sempre aparecem caras novas, e continuamos aqui,
 incentivando e prestigiando bons amigos, 
jogos de tabuleiros e lógico cerveja.

Fica então meus parabéns a todos os Periclinianos, 
que desde 2008, quando começamos essa brincadeira, 
até os dias de hoje, 
estão sempre ai a participar e renovar o nosso hobby.

 E que venham mais jogos e bons momentos.



Grande Abraço! 

Parabéns, agora são 9 anos.




sábado, 11 de fevereiro de 2017

Novidade em Joinville, A Guarnição.

Olá pessoal, tudo bom?
Essa é para o povo de Joinville e região. A Guarnição, é agora um novo espaço para o pessoal ligado a jogos de tabuleiros e RPG,
o melhor abriu hoje.

Quem tomou a frente do negócio é o Igor, um cara tranquilo, boa gente que desde que conheceu o mundo dos jogos, há alguns anos, pensou em montar algo do gênero e chegou lá.
O Espaço ainda é modesto, mas já conta com diversas mesas espaçosas,  que podem ser ocupadas ao alugar jogos ou miniaturas para as partidas de RPG de mesa.

Pretende ampliar o acervo de jogos para aluguel e compra, conta com algum material da Galápagos, e muitas miniaturas, na linha fantasia.
No momento oportuno, fala em campeonato de Catan, capitaneado pelo Felipe Asa, e bem provavelmente de outros jogos, desde que, com bastante aceite entre o povo gamer.


A loja é situada na R. Ministro Calógeras, próximo ao cruzamento com a Av Jucelino Kubischek. Vai oferecer, em outro momento espaço guormet, mas como disse o próprio Igor, "tudo a seu tempo".


Ta ai o recado!, vá lá conhecer o espaço.
Gosto de apoiar estas iniciativas, afinal começar é difícil e toda ajuda na certa é bem vinda.

Vide ai mais algumas imagens que fiz.










Abraço!